PORTALEUCLIDENSE: Médico é denunciado por cobrar R$ 2.500 para fazer cesárea pelo SUS no interior da Bahia

domingo, 28 de agosto de 2016

Médico é denunciado por cobrar R$ 2.500 para fazer cesárea pelo SUS no interior da Bahia

Uma adolescente de 17 anos, que não quis se identificar, denunciou que um médico obstetra da Maternidade Ester Gomes, em Itabuna, sul da Bahia, se negou a fazer um parto cesáreo nela pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Conforme a gestante, o médico Luis Leite pediu R$ 2.500 para fazer o procedimento.

O caso aconteceu na segunda-feira (22). A adolescente estava com 40 semanas de gestação e sentido dores quando procurou atendimento na maternidade. Durante toda a gravidez, ela fez acompanhamento pelo SUS. Como a jovem não aceitou fazer o pagamento, o parto foi feito em outro hospital, o Manoel Novaes. O bebê teve complicações e está internado na UTI da unidade médica.

“[O médico] falou que a cada cesárea que ele faz pelo SUS ele perde R$ 20. Perguntou se meu marido trabalhava. Eu falei que trabalhava na empresa ‘tal’ [sic.]. Aí ele [médico] disse: então não tem dinheiro, é pobre, não pode pagar essa cesárea”, relatou a jovem.

A adolescente conta que chegou à maternidade com o laudo de um cardiologista, emitido no dia 22 de julho. De acordo com o relatório médico, ela apresentava crises de pressão alta, relacionadas à ansiedade, por isso foi recomendado o parto cirúrgico, com anestesia, para evitar estresse.

De acordo com a jovem, as orientações do laudo não foram levadas em conta pelo médico Luis Leite, que, após a adolescente se recusar a fazer o pagamento, receitou uma medicação e liberou a paciente para casa.

A sogra da jovem, a auditora fiscal Nailma dos Santos Nascimento Moura, está indignada. “E agora, meu neto está na UTI, numa situação grave. A família toda transtornada, todo mundo muito triste, por conta de uma negligência”, afirmou.

O bebê, que ganhou o nome de Joaquim, nasceu de parto cesáreo às 5h49 da manhã de terça-feira (23), com 3,148 kg e 50 centímentros de comprimento. A criança joaquim ainda não voltou para casa, porque está na UTI.

Conforme o pai da criança, o auxiliar de produção Iuri Kerry, 20 anos, os médicos disseram que o parto de Joaquim foi demorado e, por conta disso, engoliu mecônio, o que provocou problemas respiratórios nele.

“Se eu fosse pra casa, como o Dr. Luis Leite falou que não tava no tempo ainda e me passou um remédio pra dor, eu digo a você que nem na UTI meu estava agora. Eu estva sentidno muita dor e voltei pra outra maternidade”, desabafou chorando a adolescente.

“Todo mundo está ciente de que não é a primeira vez que acontece [do médico cobrar por um cesárea]. Vamos procurar o Ministério Público”, disse a mãe da adolescente que teve o bebê, que também não quis se identificar.

A reportagem procurou o médico Luis Leite na maternidade Ester Gomes, mas ele não foi encontrado. A direção da unidade informou que o obstetra dá plantão no local às segundas-feiras e ainda vai ser ouvido pelo hospital.

O diretor administrativo da maternidade, Denis Dias, disse que um processo administrativo será aberto pra apurar o caso e que, na segunda-feira (29), deve ouvir o médico e a família da adolescente.

Outro caso
Em 2013, outro casal denunciou o médico Luis Leite por ter cobrado para fazer uma cesárea que deveria ser realizada pelo SUS, também na maternidade Ester Gomes. Na ocasião, o obstetra cobrou R$ 1.200. O casal pagou e, depois, o médico teve que devolver o dinheiro aos pais da criança.

Também em 2013, a família de um bebê acusou o mesmo médico de negligência pela morte de um bebê após o parto. Conforme a certidão de óbito da criança, o motivo da morte foi uma fratura no braço e sofrimento fetal. Na ocasião, Luis Leite não quis comentar o assunto. Nesta sexta-feira (26), o G1 tentou contato com a unidade médica para saber do andamento da apuração caso, mas até o fechamento desta reportagem não conseguiu.

As informações são do G1/BA

Nenhum comentário:

Postar um comentário