PORTALEUCLIDENSE: Frase polêmica, ida ao STJD e fim do Brasileirão: perto da queda, Inter vira alvo

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Frase polêmica, ida ao STJD e fim do Brasileirão: perto da queda, Inter vira alvo

Ações, entrevistas e medidas controversas tomadas pelo Inter na semana em que o Brasil e o mundo choram a tragédia da Chapecoense tornaram o clube gaúcho um alvo das demais torcidas. Na imprensa e, sobretudo, nas redes sociais, as críticas se acumulam e até os próprios colorados questionam as atitudes dos seus representantes, a começar por uma frase mal colocada por Fernando Carvalho, ex-presidente e atual vice de futebol, na última quarta-feira.
Ao ser perguntado sobre um eventual prejuízo que o Inter sofreria com o adiamento da última rodada - a CBF assim procedeu após a confirmação do acidente aéreo com a Chapecoense -, o dirigente usou a mesma palavra para ligar o drama dos catarinenses com a atual fase do seu time no Brasileirão. Em 17° lugar com 42 pontos, o Inter precisa vencer o Fluminense no Rio de Janeiro e torcer para que Sport tropece em casa contra Figueirense. Só assim evitará sua primeira queda na história.

“Além do sentimento e da consternação que os nossos jogadores estão tomados, pois a maioria deles já se relacionava com os atletas. Hoje deu pra ver na reunião que fizemos para dispensar do treinamento. Retomaremos amanhã. Temos a nossa tragédia particular que é fugir do rebaixamento. Esse adiamento de rodada certamente vai ser prejudicial”, disparou.

No Twitter, a repercussão foi instantânea em repúdio às palavras de Carvalho, que, mais tarde, tanto em entrevistas para canais como a ESPN Brasil e emissoras de rádio como a Gaúcha, como no seu próprio Facebook e em nota oficial no site do Inter, admitiu que utilizou mal as palavras e pediu desculpas a quem se sentiu ofendido.

“Em nenhum momento foi minha intenção comparar a tragédia arrasadora que aconteceu com a Chapecoense, instituição pela qual tenho imensa estima, com a situação do Internacional no Campeonato Brasileiro. Certamente foi infelicidade minha a escolha da palavra 'tragédia', nesse momento, ao me referir ao nosso caso”, disse Carvalho num dos trechos da mensagem no portal colorado.

No STJD, Inter tenta provar escalação irregular de Victor Ramos; imprensa condena

Um dia depois da polêmica frase de Carvalho e de sua posterior retratação, o que não evitou um flagrante mal-estar, o departamento jurídico do Inter ingressou ao STJD com um documento em que alega ter provas concretas da inscrição do jogador Victor Ramos, do Vitória, que na interpretação do clube gaúcho estaria atuando no Brasileirão de maneira irregular. O desejo é que a denúncia seja anexada ao Artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que lida com escalação irregular de atletas e prevê perda de pontos no caso de condenação da equipe.

Como Ramos atuou em 26 partidas do Vitória no Brasileirão, o time baiano fatalmente seria rebaixado se perdesse pontos e assim o Inter garantiria a permanência na elite. A queixa colorada se refere ao fato do jogador pertencer ao Monterrey, do México, mas ter se transferido ao Vitória diretamente do Palmeiras, clube em que estava emprestado no ano passado. Ocorre que, no início do ano, durante o estadual, o caso já havia sido analisado e não houve punição.

"O Inter corre agora sério risco de cair pela primeira vez e as manobras que está fazendo para evitar a queda deixam ainda mais vermelha a torcida colorada. De vergonha", escreveu o jornalista Juca Kfouri, no seu blog.

Mesmo que o Inter insista na possibilidade de reverter a situação de campo nos tribunais, a própria CBF já frustrou esses planos e garantiu que dificilmente haverá punição ao Vitória. Vale lembrar a declaração do diretor de registro e transferência da CBF, Reinaldo Buzzoni, na semana passada, ao portal Globoesporte, assim que o caso ganhou maior repercussão: "Não tem nada irregular. Se existe irregularidade na transferência internacional quem tem que julgar é a Fifa. No Brasil não tem nada errado. O Vitória não fez nada errado".

Jogadores e direção uniformizam o discurso e pedem fim do Brasileirão

Nesta quinta-feira, o Inter voltou a ganhar destaque e repercutir em todo o Brasil ao pedir o fim do Brasileirão. Após o treinamento, o elenco inteiro se reuniu na sala de imprensa do Beira-Rio e, capitaneados por Alex, solicitou que o campeonato acabasse por não haver mais clima ou condições de jogo em razão da morte de 71 pessoas, dentre elas 19 atletas, que estavam no trágico voo da Chapecoense.

Assim que encerrou a manifestação dos jogadores, o presidente colorado Vitorio Piffero tomou a palavra e demonstrou consternação com a tragédia que envolveu a equipe de Santa Catarina. Também pediu o fim do Brasileirão, mas lembrou que ele ficaria "incompleto", o que imediatamente levantou rumores de que o clube poderia tentar uma virada de mesa. Se o campeonato de fato acabar agora, o Inter, em 17°, estaria rebaixado ao lado de Figueirense, Santa Cruz e América-MG.

"Só que, ao defender o encerramento sem a 38ª rodada, o presidente Vitorio Piffero usou o termo 'campeonato incompleto', recusando-se a admitir queda à Série B, neste caso. Ficou parecendo jogada ensaiada: seja por algo já acordado nos bastidores, seja para ganhar um argumento e tentar melar tudo lá adiante (...) Opinião do colunista: melhor cair com dignidade do que ficarem pé sem", disse o jornalista gaúcho Diogo Olivier, no portal Clicrbs.

Assim como os jogadores colorados, atletas de outros clube da Série A se movimentam para impedir que a última rodada seja realizada. Sem nenhum comunicado oficial da CBF sobre o tema, os jogos seguem mantidos e o Inter viajará para o Rio de Janeiro, onde tentará, contra o Fluminense, evitar o primeiro rebaixamento da sua história.

msn.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário