PORTALEUCLIDENSE: Mais um caso de agressão contra a mulher em Euclides da Cunha

terça-feira, 17 de julho de 2018

Mais um caso de agressão contra a mulher em Euclides da Cunha

Desentendimento terminou em entrevero e com agressão mútua

Sancionada em 07 de agosto de 2006, a Lei 11.340, que se popularizou como “Maria da Penha” entrou em vigor a partir do dia 22 de setembro de 2006, criada para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, parece que ainda não pegou completamente, apesar de vários casos em que o agressor foi preso e processado, mostrados no noticiário da grande mídia.
Em Euclides da Cunha, os casos de agressão contra a mulher se repetem em quase todos os finais de semana, especialmente, mesmo com o registro de prisão do autor, na maioria dos episódios.

Nesta segunda-feira (16), mais um caso de agressão contra a mulher foi registrado na 1ª Delegacia Territorial de Polícia Judiciária, e teve como vítima a jovem Natali Araújo da Silva (18), residente no Conjunto Habitacional Nossa Senhora da Conceição (Casas Populares). No boletim de ocorrência que registrou na DT, e para a equipe de reportagem do Site euclidesdacunha.com, a queixosa contou que fora vítima de agressão por parte do ex-namorado Valdinei Soares de Jesus Junior, maior de 18 anos, cuja relação de namoro havia acabado há quatro meses, mas que mantinham intimidade, segundo contou a própria jovem, na presença de amigas que levara como testemunhas, e do agente policial civil que registrou o B.O. 

Segundo Natali, neste final de semana, na madrugada de sábado para domingo, ela se encontrava em um Bar e Restaurante da Av. Cel.  Almerindo Rehem, onde acontecia um som ao vivo, quando teve início uma discussão com o ex-namorado, causada por ciúme, segundo a queixosa, que terminou em entrevero e com agressão mútua, sendo atingida com um soco no supercílio esquerdo, que partiu e sangrou, além de escoriações leves no pescoço e nos braços. 

Foi feito o registro e o acusado deverá ser intimado a comparecer à DT para ser ouvido e posterior adoção de providência por parte da autoridade policial. A Lei 11.340, em 2015, reduziu em 10%, a taxa de homicídios praticados dentro das residências das vítimas, segundo pesquisa do IPEA - Instituto de Pesquisa e Aplicação. O nome Maria da Penha é uma homenagem à enfermeira pernambucana que, por duas vezes, fora vítima de tentativa de homicídio praticadas pelo próprio esposo, e teve a coragem de denunciá-lo à Justiça.

euclidesdacunha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário