PORTALEUCLIDENSE: A misteriosa nuvem que matou milhares de pessoas e animais em Camarões

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A misteriosa nuvem que matou milhares de pessoas e animais em Camarões

"Por volta das onze da noite acordei, mas não conseguia me levantar. Estava confuso, não entendia o que estava acontecendo", conta um sobrevivente.
Era dia 21 de agosto de 1986. Quando amanheceu, os moradores de vários vilarejos no noroeste de Camarões descobriram, ao despertar, que muitos dos seus amigos e vizinhos tinham morrido durante a noite.

"Na manhã seguinte vi que tinha gente jogada na rua. Alguns, mortos", relatou a testemunha. "No nosso povoado perdemos muitos, umas 75 pessoas".

O número total, no entanto, foi bem mais alto: nesse dia, 1.746 pessoas morreram depois de inalar gases tóxicos que vinham de um lago vulcânico, além de 3,5 mil cabeças de gado.

Todas as vítimas se distribuíam em povoados ao redor do lago Nyos, próximo à fronteira do país com a Nigéria.

O desastre foi tão grave que o presidente do país chegou a pedir ajuda internacional.
A investigação

Investigações científicas foram feitas durante várias semanas para descobrir o que havia ocorrido.

Foram chamados especialistas de todo o mundo para ajudar a desvendar o mistério. Um deles era o médico britânico Peter Baxter, que chegou à região cerca de duas semanas depois da tragédia.


"Ainda tinha corpos de pessoas e bichos espalhados pelas colinas. Quando chegamos no povoado de Nyos, que tinha pequenas casas de barro, o silêncio era total, não havia sinais de vida", contou Baxter ao programa Witness, da BBC.

"E quando nos aproximamos do lago Nyos, ao qual se alcançava subindo uma pequena colina, vimos que suas águas estavam calmas, mas havia plantas e peixes mortos na superfície e nas margens."

"A única vida que víamos eram as rãs, que são muito resistentes e pareciam continuar se desenvolvendo naquelas águas", afirma o médico.

George Kling, professor da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, também foi convidado para ajudar na investigação.

"Quando chegamos ao lago Nyos, a cena era de dar frio na espinha. Todas as pessoas e todos os bichos estavam mortos", conta.

"Predominava um silêncio, mas todas as construções estavam de pé, não parecia que tinha havido um furacão, uma inundação ou algo do tipo."

"Vimos uma cena de destruição. Antes do desastre, o lago era um lugar muito bonito, com águas cristalinas, azuis. Um ano antes estávamos nadando no lago, mas agora tudo estava diferente", continua Kling.

"A água da superfície tinha uma cor marrom-avermelhada, havia muitas plantas flutuando. Essa vegetação vinha das margens, onde as ondas enormes haviam feito um estrago, destruindo toda a vegetação", lembra o professor.
Mistério

As evidências físicas indicavam que uma onda de uns 40 metros de altura tinha se formado em consequência de uma alteração na profundidade do lago.

Mas era um mistério o que havia provocado a mudança - e o que havia causado a morte de centenas de moradores da região.

Havia, contudo, um suspeito.

"As informações que vinham da região diziam que havia ocorrido uma erupção vulcânica, e que gases vulcânicos tinham sido liberados. Mas havia algo estranho nisso", diz Baxter. "Porque não houve uma explosão grande causada por uma erupção, ou a devastação que um evento desse tipo teria provocado", explica.

"Estávamos diante de uma situação em que muitas pessoas tinham morrido, mas havia poucos danos ao terreno e às construções nas quais elas moravam", acrescenta. 
'Cheiro de ovo podre'

Uma das testemunhas lembra: "Eu quase morri, mas aí decidi beber azeite. Logo depois vomitei algo negro, que fedia a algo como ovo ou pólvora."

Foram esses cheiros que deram aos cientistas um sinal do que estavam procurando e que os levaram a achar que sabiam quem era o culpado: dióxido de carbono, milhares de toneladas desse gás, que teria sido liberado do fundo do lago e descido do vulcão até o vale mais abaixo.

De início, os cientistas pensaram se tratar de enxofre, que tem cheiro desagradável característico e é produzido em grandes quantidades pelos vulcões.

"Mas, quando fomos ao lago e começamos a analisar as amostras, vimos que na água não tinha enxofre, nem nas plantas que rodeavam o lago e que tinham sido expostas à nuvem de gás", explica o professor Kling.

"Era muito difícil entender essas descobertas. Até que achamos documentos antigos que falavam sobre pilotos de combate que haviam sido expostos a uma alta concentração de C02", acrescenta.

"O gás, em concentração de 5% a 10%, age como um alucinógeno. Um dos relatos mais comuns dos pilotos era de que sentiam cheiro de ovo podre ou pólvora e que sentiam o corpo muito quente", diz o professor da Universidade de Michigan.

Tudo indica que o dióxido de carbono ficou em formação no fundo do lago durante vários anos.

"Como o lago é muito estratificado, ou seja, é muito fundo, e as camadas de cima não se misturam com as de baixo, o gás que se formou nas camadas de baixo estava preso. Isso fez com que se acumulasse com muita pressão", explica George Kling.

Os cientistas dizem que o mesmo efeito se produz quando agitamos uma garrafa de champanhe e depois tiramos a rolha.
Os sobreviventes

Mas havia outro mistério: centenas de pessoas haviam morrido, mas outras, apesar de terem sido expostas ao CO2 da mesma maneira, sobreviveram.

Muitas delas eram crianças. Assim, surgiu a hipótese de que o gás tivesse envolvido as casas durante a noite, enquanto os pequenos dormiam do lado de dentro, mas seus pais ainda estavam do lado de fora.

Também se cogitou que as crianças poderiam ter ficado inconscientes mais rápido e, assim, inspirado o gás de forma menos profunda.

"Alguns dos sobreviventes acordaram com pessoas mortas ao seu redor", diz Baxter. "Sobreviver ou morrer devido à exposição ao gás foi caso de sorte ou azar."

"O gás te deixa inconsciente rapidamente, e os que sobreviveram sentiram que ficaram inconscientes por muito tempo, mais de 10 horas, até voltarem a si, literalmente até que o gás tivesse dissipado, quando iniciava o dia e o sol começava a aquecer a terra. Mas é uma situação muito incomum, uma história realmente extraordinária", afirma Baxter.

A força-tarefa para investigar as causas do desastre não impediu que surgissem teorias excêntricas para explicar o que tinha acontecido.

"Alguns locais começaram a dizer que países estrangeiros tinham usado uma bomba secreta, que havia uma conspiração internacional de cientistas. São ideias fantasiosas, que não têm credibilidade", afirma.

Ainda não se sabe, contudo, o que provocou a liberação do gás mais de três décadas atrás. Uma das hipóteses sugere que houve um deslizamento de terras no fundo do lago.

O Nyos continua sendo uma ameaça potencial para as pessoas que moram na região. Na tentativa de evitar uma tragédia como a de 1986, porém, foi instalado um sistema de tubos para permitir que o gás carbônico, caso seja expelido, seja desviado do fundo com segurança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário