PORTALEUCLIDENSE.: Esplanada de Bolsonaro terá 6 graduados em direito; saiba a formação dos 22

domingo, 23 de dezembro de 2018

Esplanada de Bolsonaro terá 6 graduados em direito; saiba a formação dos 22

A Esplanada do futuro presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), terá 7 –de 1 total de 22– ministros militares. Entre os 15 restantes, 6 são formados em Direito.
Além disso, a equipe também conta com engenheiros, economistas e profissionais da área de saúde. Apenas 1 deles têm ensino superior incompleto –o futuro ministro Marcelo Álvaro Antonio, do Turismo, não completou a graduação em Engenharia Civil pela UniBH.

Nenhum dos ministros tem só o ensino fundamental ou é analfabeto.

O Poder360 elencou a formação, o Estado em que cada 1 deles nasceu e a idade dos ministros de Bolsonaro. Eis o raio-x da Esplanada:

Formação acadêmica
Militares

Dos 22 ministros indicados por Bolsonaro, 7 são militares. São 3 generais, todos da reserva. Há ainda 1 capitão, posto considerado intermediário. Eis os nomes do Exército:

general de Exército Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional);
general de Exército Fernando Azevedo e Silva (Defesa);
general de divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo);
capitão Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura);
capitão Wagner Rosário (Controladoria Geral da União).
Da Marinha, foi indicado o almirante de Esquadra Bento Costa Lima Leite. Ele chefiará Minas e Energia.

Já da Aeronáutica, o nomeado foi o tenente-coronel Marcos Pontes para Ciência e Tecnologia. Pontes foi o 1º brasileiro a ir ao espaço. Entrou para a reserva aos 43 anos.

Direito

O futuro ministro da pasta da Justiça, Sérgio Moro, graduou-se em direito pela Universidade Estadual de Maringá em 1995. Fez mestrado e doutorado na Universidade Federal do Paraná e foi juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Era o responsável pelos processos da Operação Lava Jato em 1ª Instância na unidade. Desistiu da magistratura para ser ministro da Justiça e Segurança Pública.

O advogado André Luiz de Almeida Mendonça, indicado para a AGU (Advocacia Geral da União), é formado em direito na Faculdade de Bauru, interior de São Paulo. Fez pós-graduação em direito público na UnB (Universidade de Brasília).

Mendonça é doutorando na Universidade de Salamanca, na Espanha, com o projeto “Estado de Derecho y Gobernanza Global” (Estado de Direito e Governança Global). É servidor de carreira da AGU.

O ex-presidente do PSL e futuro ministro da Secretaria Geral, Gustavo Bebianno, também é advogado. Participou da campanha de Bolsonaro.

Ricardo Salles, que comandará o Meio Ambiente, também cursou direito. Graduou-se na Universidade Mackenzie, em São Paulo. É pós-graduado em duas universidades portuguesas: de Coimbra e de Lisboa. Além disso, é administrador pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Iniciou a vida política em 2006, quando concorreu a deputado estadual. Não se elegeu. Foi secretário particular do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) de 2013 a 2014 e secretário estadual do Meio Ambiente de 2016 a 2017.

Damares Alves também integra o grupo dos advogados. A futura ministra foi escolhida pelo presidente eleito para coordenar a pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos. Também é educadora e pastora. Foi assessora parlamentar do senador Magno Malta (PR-ES).

Gustavo Canuto, do Desenvolvimento Regional, também é advogado. É formado na Capital pelo UniCEUB (Centro Universitário de Brasília).

Engenharia

Dois futuros ministros são engenheiros: Tereza Cristina e Gustavo Canuto.

A indicada para chefiar Agricultura é engenheira agrônoma formada na Universidade Federal de Viçosa. Além dela, o futuro ministro de Desenvolvimento Regional, que também é advogado, é engenheiro de computação graduado pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Economia

Entre os economistas está o guru de Bolsonaro, Paulo Guedes, que comandará o Ministério da Economia. Ele é formado em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez pós graduação na FGV e é mestre e doutor pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.

O ministério reunirá as atuais pastas da Fazenda, Planejamento, e Indústria, Comércio e Serviços, além de parte das atribuições do Ministério do Trabalho.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, também é economista. Graduou-se na Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Fez especialização na mesma instituição, na área de Finanças.

Área de saúde

A área da saúde tem 3 representantes.

O futuro ministro da Cidadania, Osmar Terra, é formado em medicina.

Entrou na política em 1993, quando assumiu a prefeitura de Santa Rosa, no Rio Grande do Sul. De 2016 a 2018, foi ministro de Desenvolvimento Social e Agrário do Brasil no governo de Michel Temer (MDB).

O futuro ministro da Saúde, Luiz Mandetta, graduou-se em medicina pela Universidade Gama Filho (RJ). Especializou-se em Ortopedia. Foi secretário de Saúde de Campo Grande (MS) de 2005 a 2010, na gestão de seu primo, Nelsinho Trad. Desde 2011 é deputado federal pelo DEM de Mato Grosso do Sul.

Onyx Lorenzoni também é da área da saúde. O futuro ministro da Casa Civil cursou medicina veterinária na UFSM (Universidade Federal de Santa Maria).

Letras

Ernesto Araújo, da pasta de Relações Exteriores, é graduado em Letras pela UnB. Em 1990, foi aprovado no concurso do Instituto Rio Branco e depois de 2 anos se formou diplomata.

É chefe do departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Ministério das Relações Exteriores.

Educação 

O futuro ministro da Educação, Ricardo Velez Rodríguez, é teólogo, filósofo e professor. Em 1963 se formou em Filosofia na Pontifícia Universidade Javeriana. Logo depois estudou teologia no Seminário Conciliar de Bogotá.

Fez pós-graduação em filosofia, na PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio). Em 1974, virou mestre em Filosofia.

Esplanada sem Norte e Nordeste
A Esplanada de Bolsonaro terá 19 ministros nascidos no Sudeste ou no Sul do Brasil. Nenhum deles veio do Norte ou Nordeste.

O ministro da Educação, Ricardo Velez Rodríguez, nasceu em Bogotá, na Colômbia.

Bolsonaro foi o candidato mais votado em 15 Estados e no Distrito Federal. No Nordeste, perdeu em todos.

As maiores votações, em percentual, de Bolsonaro foram no Acre (77,22%), em Santa Catarina (75,92%) e em Rondônia (72,18%).

O presidente eleito disputou o Planalto no 2º turno das eleições gerais de 2018 com o petista Fernando Haddad. Eis 1 gráfico que mostra como os Estados votaram:

Sudeste

Em todos os 4 Estados da região Sudeste, a área mais rica e populosa do Brasil, Bolsonaro obteve mais da metade dos votos. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, o presidente conseguiu 67,9%.

Os fluminenses são maioria na equipe de Bolsonaro. Cinco ministros nasceram no Rio de Janeiro: Paulo Guedes, da Economia; o general Fernando Azevedo e Silva, da Defesa; Gustavo Bebianno, da Secretaria Geral; Tarcísio Gomes de Freitas, da Estrutura; e Bento Costa Lima Leite, de Minas e Energia.

De São Paulo saíram 4 nomes. O tenente-coronel Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia; Ricardo Salles, do Meio Ambiente; Roberto Campos Neto, do BC; e André Mendonça, da AGU.

Wagner Rosário, da Transparência, e Marcelo Álvaro Antônio, do Turismo, são mineiros.

Sul

No Sul, Bolsonaro também venceu em todos os Estados.

Dos 22 ministros, 4 são gaúchos – Onyx Lorenzoni, da Casa Civil; Ernesto Araújo, das Relações Exteriores; Osmar Terra, da Cidadania; e o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, da Secretaria de Governo da Presidência.

Do Paraná, vieram Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública; Gustavo Henrique Canuto, de Desenvolvimento Regional; Damares Alves, da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos e o general Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional.

Centro-Oeste

O Centro-Oeste terá 2 representantes na Esplanada: Luiz Mandetta, da Saúde e Tereza Cristina, da Agricultura.

Entre as unidades da Federação, o porcentual mais alto de votos de Bolsonaro foi no DF: 69,9% dos eleitores da capital federal escolheram o militar.

Faixa etária dos ministros
O ministro mais jovem será Gustavo Canuto, de 40 anos que comandará Desenvolvimento Regional. O mais velho é Ricardo Velez Rodríguez, de 75 anos, que estará à frente da Educação.

A maioria tem idade entre 40 e 50 anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário