PORTALEUCLIDENSE.: Cardeal australiano é sentenciado a seis anos de prisão

quarta-feira, 13 de março de 2019

Cardeal australiano é sentenciado a seis anos de prisão

O cardeal australiano George Pell, que chegou a ser o terceiro na hierarquia do Vaticano, foi sentenciado nesta quarta-feira (13) a seis anos de prisão por crimes de pedofilia contra dois menores cometidos há mais de 20 anos.
O juiz Peter Kidd, do tribunal do estado de Victoria, detalhou que Pell deverá cumprir três anos e oito meses da condenação antes de pedir liberdade condicional, o que poderá fazer a partir de outubro de 2022. A defesa de Pell já apresentou recurso contra a sentença, que será analisado em junho.

Na leitura da sentença, o juiz disse que o cardeal, que na época dos crimes era arcebispo de Melbourne, atuou com "surpreendente arrogância" e que no julgamento "sustentou sua inocência, o que é seu direito", mas ao mesmo tempo nunca mostrou "remorso ou contrição".

Atualmente com 77 anos de idade, Pell tinha 55 anos na época do crime. O cardeal foi condenado por crimes sexuais contra dois meninos de coral, de 13 anos, cometidos na sacristia dos padres da Catedral de São Patrício, onde era o arcebispo. As outras convicções estão relacionadas a contatos físicos indevidos com os meninos.

Os nomes das vítimas não foram citados, apenas que um está vivo e que o outro morreu de overdose de heroína em 2014. O pai da segunda vítima se mostrou "decepcionado pela curta condenação" e expressou sua tristeza pelo que considerou uma punição inadequada para esses crimes. A vítima sobrevivente considerou a decisão do juiz "meticulosa e analítica".

"É difícil para mim me permitir sentir a gravidade deste momento, o momento em que a sentença é proferida, o momento em que a justiça é feita", disse o homem por meio de uma declaração lida por um de seus advogados. "É difícil para mim, por enquanto, consolar-me com esse resultado. Aprecio que o tribunal tenha reconhecido o que me foi infligido quando criança. No entanto, não há descanso para mim. Tudo está ofuscado pelo recurso de apelo."

O juiz ressaltou na sentença que o abuso dos dois meninos do coro foi "um ataque sexual descarado e forçado contra as vítimas". "Os atos foram sexualmente gráficos, ambas as vítimas estavam visivelmente e audivelmente angustiadas durante a ofensa", ressaltou o juiz, ao insistir que Pell estava consciente de seus atos e não reagiu quando uma das crianças lhe pediu que os deixasse ir.

Após ler a sentença, o juiz, que ressaltou que sua decisão "não foi simples" e assegurou que levou em consideração tanto a gravidade dos crimes como a idade e a saúde de Pell, pediu ao cardeal que assinasse o registro de agressores sexuais, no qual permanecerá "por toda a vida".

A sentença foi divulgada depois que um júri considerou, de forma unânime, Pell culpado em dezembro dos crimes pelos quais era acusado, embora o veredito tenha sido anunciado apenas em 26 de fevereiro, após o arquivamento de um segundo caso contra o hierarca da Igreja Católica por supostos abusos sexuais de menores na década de 1970 na sua cidade natal, Ballarat.

Pell é o membro hierarquicamente mais alto da Igreja Católica a ser condenado por abuso sexual. Em 2016, ele deixou seu cargo de chefe das finanças do Vaticano para enfrentar as acusações. Em dezembro, o Vaticano anunciou a remoção de Pell como um dos assessores do papa Francisco, sem comentar o julgamento.

Em fevereiro, a Igreja Católica abriu uma investigação interna sobre Pell, que poderia resultar num julgamento canônico e numa eventual expulsão do sacerdócio. No mesmo mês, a Igreja realizou uma cúpula extraordinária de quatro dias para debater os abusos sexuais cometidos em instituições católicas.

O julgamento do cardeal australiano é o mais recente dos inúmeros casos de abuso sexual que abalaram a Igreja Católica na Austrália nos últimos anos. Autoridades estimam que mais de 4 mil crianças tenham sido vítimas em mais de mil instituições católicas australianas desde os anos 1980.

Além disso, a Igreja Católica tem sido abalada por vários escândalos de abuso sexual em todo mundo, incluindo o Chile, a Alemanha e os Estados Unidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário