Lula completa 500 dias preso negando-se a solicitar semiaberto

‘Quero sair com 100% de inocência’
Concedeu 8 entrevistas na PF
Manifestou intenção de casar
Tornou-se réu em mais 2 casos
Rechaçou uso de tornozeleira
Saiba dos livros que leu na prisão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva completa 500 dias preso na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba nesta 3ª feira (20.ago.2019). Preso em 7 de abril de 2018, o petista cumpre pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão por condenação em 2ª Instância no caso do tríplex do Guarujá (SP).
Lula foi o 6º presidente a ir para a cadeia e 1º condenado por crime comum na história do Brasil.
Poder360 lista os principais acontecimentos durante os 500 dias:

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), Lula já cumpriu tempo suficiente de sua pena – o equivalente a ⅙ – para ter progressão no regime de pena. A manifestação foi enviada em 4 de junho ao STJ (Superior Tribunal Federal). No entanto, ainda não há data prevista para a avaliação do documento.
Em 11 de agosto, o ex-presidente determinou a seus advogados que não solicitem à Justiça o pedido para que ele cumpra a pena em regime semiaberto ou aberto. Ele disse que só pretende ir para casa após eventual absolvição ou anulação da sentença.
“Eu quero a minha inocência. E outra coisa, não adianta ficar querendo discutir no meu caso a progressão da pena. Não adianta. Eu não quero: ‘Ah, o Lula, coitado, já está com 73 anos’. Eu não vou pedir[a progressão de regime] você sabe o porquê? Porque eu quero a minha inocência. Eu quero sair daqui com 100% de inocência“, afirmou em entrevista ao jornalista Bob Fernandes em 16 de agosto.
“Não estou precisando de favor, o que eu quero é justiça”, disse, ao cobrar ao Supremo que “retome a direção do Poder Judiciário”.
Uma das medidas cautelares que a Justiça poderia determinar ao petista, caso concedesse o regime semiaberto ou aberto, seria o uso da tornozeleira eletrônica. No entanto, Lula se mostra irredutível ao uso“Tornozeleira é pra ladrão”, disse ao Diário do Centro do Mundo em 5 de junho.
Atualmente, a defesa aguarda 2 pedidos de habeas corpus que pedem a liberdade de Lula no STF (Supremo Tribunal Federal). Um pede a suspeição do ex-juiz federal Sérgio Moro e outro pede a suspeição do coordenador da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, e acesso a conversas de autoridades hackeadas. Ambos alegam a parcialidade dos citados e não tem data prevista para julgamento.
Além do caso do tríplex, a liberdade de Lula também depende de outro julgamento, o do caso do sítio de Atibaia (SP). O ex-presidente foi condenado pela juíza federal Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal do Paraná, a mais 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Foi acusado de receber R$ 1 milhão em propinas das empreiteiras Odebrecht e OAS para reformas no sítio.
A defesa já recorreu da decisão ao TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), mas aguarda o julgamento. Os advogados também foram ao Supremo pedir a suspensão da ação, mas o pedido foi arquivado.
Caso a condenação seja mantida antes de 1 eventual habeas corpus no caso tríplex do Guarujá e, com a sentença, seja determinado 1 novo pedido de prisão após condenação em 2ª Instância, o ex-presidente deve permanecer preso.

SALA ESPECIAL NA PF

Durante os 500 dias, Lula foi mantido em uma sala especial instalada no 4º andar da sede da PF em Curitiba (PR). O espaço tem 15 m² e possui 1 banheiro com chuveiro elétrico, cama e uma mesa. Não tem grades, apenas uma porta fechada pelo lado de fora.
O espaço onde o ex-presidente está preso é vigiado 24 horas por policiais federais. Ele tem direito a banho de sol de duas horas e tem 1 esquema diferenciado de visitas: todas as quintas-feiras (familiares e 2 amigos por vez). Os presos comuns podem receber visitas apenas às quartas-feiras.
O petista saiu da sede da PF em duas ocasiões:
  • 14.nov.2018: para depor na sede da Justiça Federal de Curitiba no âmbito do processo do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP);
  • 2.mar.2019: para comparecer a velório do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos, vítima de sepse (infecção generalizada) originada pela bactéria Staphylococcus aureus.
Sem acesso a internet, Lula pode assistir canais de TV aberta,  ouvir música com fones de ouvido em MP3 player e receber informações por meio de arquivos em pen drives, papeis impressos ou relatos de seus advogados, assessores, amigos e companheiros de partido.
Segundo sua assessoria, durante os 500 dias o ex-presidente nunca ficou doente e pratica exercícios todos os dias. Em 7 de maio de 2018, a Justiça Federal do Paraná autorizou a entrada de uma esteira ergométrica na sala especial. Desde então, Lula corre 9 km por dia.

LIVROS QUE LEU

Segundo a assessoria do PT, até dezembro de 2018 o ex-presidente já havia lido 15 livros na prisão.
Com as leituras, o ex-presidente poderia ter feito resumos e pedido a redução de dias da pena. No entanto, não fez a solicitação. Pela Recomendação 44 do CNJ, para cada livro resumido devem ser descontados 4 dias na pena. O limite é de 12 resumos por ano.
Eis alguns dos livros que o ex-presidente leu, segundo a assessoria do PT:
  • O Petróleo: Uma história mundial de conquistas, poder e dinheiro (Daniel Yergin);
  • A Virtude da Raiva (Arun Gandhi);
  • Grande Sertão: Veredas (João Guimarães Rosa);
  • Zelota: a Vida e a Época de Jesus de Nazaré (Reza Aslan);
  • O Lulismo em Crise (André Singer);
  • A Ralé Brasileira: Quem é e Como Vive (Jessé Souza);
  • Cartas da prisão de Nelson Mandela (Nelson Mandela);
  • Sobre a China (Henry Kissinger);
  • Conselhos de um Papa amigo: Palavras do Papa Francisco que ajudam a viver melhor(Andrea Tornielli e‎ Domenico Agasso Jr.);
  • Contos e Poemas (Mário de Andrade);
  • Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil (Bresser-Pereira);
  • O Tiradentes: uma biografia de Joaquim José da Silva Xavier (Lucas Figueiredo);
  • Vontade Popular e Democracia: Candidatura Lula? (Eugênio José Guilherme de Aragão, Gabriela Shizue Soares de Araujo, José Francisco Siqueira Neto, Wilson Ramos Filho);
  • Memórias (Gregório Bezerra);
  • Governos do PT: um legado para o futuro (Aloizio Mercadante e Marcelo Zero).

ENTREVISTAS

Desde que foi preso, Lula concedeu 8 entrevistas. Destas, para 7 obteve autorização para falar a jornalistas pessoalmente na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.
A 1ª foi concedida por meio de carta ao jornalista Kennedy Alencar para a BBC NewsNa entrevista, publicada em 6 de dezembro de 2018, disse que foi preso para ser impedido de ganhar a eleição presidencial do ano, que ele elegeu Jair Bolsonaro.
A 2ª entrevista foi a 1ª pessoalmente, em 26 de abril. A jornalistas dos jornais Folha de S. Paulo e  El País, Lula disse que o país é governado por 1 “bando de malucos”. Disse também que não se importava com a quantidade de anos preso, contanto que o ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o coordenador da Lava Jato no Paraná, o procurador Deltan Dallangol, fossem “desmascarados”.
Em 3 de maio, Lula falou novamente a Kennedy Alencar, desta vez pessoalmente, para uma série-documentário com ex-presidentes da BBC World News. Em quase 2 horas de conversa, o petista admitiu erros do governo da ex-presidente Dilma Rousseff, lamentou não ter disputado as eleições de 2014 e fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro.
4ª entrevista foi em 5 de junho aos sites Diário do Centro do Mundo e Tutaméia. Afirmou não alimentar expectativa sobre o semiaberto. Também falou sobre a namorada Rosângela Silva, cujo apelido é Janja. Pelo relacionamento, o ex-presidente já usa aliança de compromisso na mão direita. No entanto, disse que não quer que ninguém sofra por estar com ele. “Eu, se tiver chance, vou casar. Porque sempre é tempo de a gente ser feliz”, disse.
Em 21 de maio, Lula falou ao jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept. Na ocasião, o petista comentou sobre seu tratamento na prisão, afirmando que considera que vive em uma “solitária”. Também afirmou que Bolsonaro faz parte da “velha política”. Ainda fez duras críticas a Sergio Moro.
Em 13 de junho, o ex-presidente falou à TVT –emissora sindical. Em uma entrevista de 2 horas, chamou Sergio Moro de mentiroso e disse que Deltan Dallagnol deveria ser preso. A entrevista foi feita após a divulgação de mensagens entre o atual ministro da Justiça o procurador, feita pelo site The Intercept. O petista também fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro.
A 7ª foi em 3 julho para o site Sul21. Na ocasião, Lula voltou a fazer críticas a Moro e a procuradores da Lava Jato. Disse que o ex-juiz federal “está se transformando em um boneco de barro” e que ele “vai se desmilinguir”. Em crítica ao modo como a TV Globo tem abordado as conversas da Vaza Jato, Lula afirmou ainda que quem não quer que ele saia “nunca” da prisão é a emissora. “A Globo poderia vir aqui fazer uma entrevista comigo, como você está me entrevistando. Ela poderia mandar o Bial e transmitir ao vivo. Com a Globo, como eu não confio, eu não faço gravando, só ao vivo”, disse.
A última foi em 16 de agosto para o canal no YouTube do jornalista Bob Fernandes, que também foi transmitida na TVEBahia. Na ocasião, disse que considera o comportamento de Bolsonaro à frente da Presidência como o de 1 chefe de torcida organizada. Segundo o petista, “a quantidade de besteira” que Bolsonaro fala é para agradar a sua torcida composta por “fanáticos”.
Além das entrevistas, Lula fez comentários em programa do jornalista José Trajano na TVT, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, por meio de cartas.

CARTAS PÚBLICAS

Durante os 500 dias, o PT divulgou 89 cartas do ex-presidente Lula destinadas a movimentos sociais e sindicais, à militância do PT, à população brasileira, a políticos, instituições internacionais, universidades brasileiras e até ao Papa Francisco.
O Papa chegou a responder ao petista em 3 de maio. Manifestou solidariedade pelas mortes da mulher de Lula, Marisa Letícia, do irmão Genivaldo Inácio da Silva e do neto Arthur Araújo Lula da Silva.
“Tendo presente as duras provas que o senhor viveu ultimamente, especialmente a perda de alguns entes queridos – sua esposa Marisa Letícia, seu irmão Genival Inácio e, mais recentemente, seu neto Arthur de somente 7 anos -, quero lhe manifestar minha proximidade espiritual e lhe encorajar pedindo para não desanimar e continuar confiando em Deus”, escreveu o Papa.
Na época em que Francisco escreveu a carta, a Igreja Católica estava celebrando a ressurreição de Jesus Cristo. O pontífice destacou que a Páscoa é 1 momento em que os cristãos passam “da escuridão para a Luz” e disse ainda que “o bem vencerá o mal, a verdade vencerá a mentira e a Salvação vencerá a condenação”.

RELEMBRE A CONDENAÇÃO E PRISÃO PELO TRÍPLEX

Lula é acusado de ter cometido os crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Segundo as investigações da Lava jato, o ex-presidente teria recebido R$ 3,7 milhões em propina da construtora OAS, por meio do apartamento e de armazenamento de bens. Em troca, teria favorecido a empreiteira em contratos com a Petrobras durante seu governo. Ele nega as acusações.
A condenação inicial foi determinada pelo ex-juiz federal Sérgio Moro no dia 12 de julho de 2017, que estabeleceu pena de 9 anos e 6 meses de prisão.
Podendo ainda recorrer em liberdade, a defesa de Lula foi à 2ª Instância. No entanto, o TRF-4 (Tribunal Regional da 4ª Região), em 24 de janeiro, manteve a condenação do ex-presidente e aumentou a pena para 12 anos e 1 mês de prisão.
Após a decisão, a defesa ainda recorreu ao STF, que por 6 votos a 5, no dia 4 de abril de 2018, negou habeas corpus ao petista.
Ainda antes de completar 24h da decisão do Supremo, Sergio Moro decretou a prisão do ex-presidente. A defesa ainda tentou recorrer no STF da decisão de Moro, mas teve os recursos negados.
Após a medida, Lula permaneceu na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), que ficou cercado por militantes de movimentos sociais. Em 7 de abril, às 12h fez 1 discurso de 55 minutos, no qual relembrou sua trajetória política e criticou a Lava Jato. “Eles decretaram a minha prisão e eu vou atender o mandado deles”, disse.
O petista só conseguiu sair do sindicato na 2ª tentativa. Horas antes, o ex-presidente foi impedido por apoiadores de deixar o local de carro. Preso, o petista chegou à sede da PF em Curitiba às 22h28.

REDUÇÃO DA PENA

Em 23 de abril, 1 ano de 16 dias depois de preso, a 5ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) analisou 1 recurso da defesa de Lula que pedia a anulação da condenação, bem como a liberdade do petista, sob o argumento de que o ex-juiz federal Sérgio Moro foi parcial ao determinar a sentença na 1ª Instância.
A Turma aceitou o recurso parcialmente e reduziu a pena do ex-presidente de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão, com pagamento de 175 dias-multa –135 para o crime de corrupção passiva e 40 para de lavagem de dinheiro.
A pena reduzida se divide em:
  • 5 anos, 6 meses e 20 dias por corrupção passiva;
  • 3 anos e 4 meses por lavagem de dinheiro.
De acordo com a decisão, Lula terá ainda que pagar indenização no valor de R$ 2.424.991 para reparação de danos, por conta das vantagens “comprovadamente” recebidas.
O processo também foi desmembrado conforme entendimento do STF em 14 de março, que definiu que processos que envolvem crimes comuns, como corrupção e lavagem de dinheiro, ligados a crimes eleitorais, como caixa 2, devem ser enviados para a Justiça Eleitoral.

VAZA JATO

Em 9 de junho o site The Intercept divulgou conversas no Telegram atribuídas ao ministro Sergio Moro e ao coordenador da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, em uma série de reportagens no caso que ficou conhecido como Vaza Jato. Os 2 contestam a autenticidade das mensagens, mas não indicam os trechos que seriam verdadeiros e falsos.
Em 5 reportagens sobre as conversas, há conteúdos relacionados ao ex-presidente Lula.
Em nota, a defesa do ex-presidente disse que as mensagens de Moro provam “perseguição pessoal e profissional” ao petista. Para os advogados, o ex-juiz federal “jamais teve 1 olhar imparcial em relação a Lula”.
Devido ao conteúdo das conversas, em 2 de agosto, os deputados petistas Gleisi Hoffmann (PR), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) protocolaram 1 pedido (íntegra) para que o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) afaste Deltan Dallagnol da força-tarefa da Lava Jato. O pedido ainda não foi analisado.
Já a defesa de Lula entrou, em 13 de agosto, com mais 1 pedido de liberdade no Supremo. Desta vez, alegam que Dallagnol não tinha isenção para conduzir as investigações sobre o tríplex no Guarujá (SP). O pedido também não foi analisado.
Além disso, os advogados pediram ao STF acesso aos diálogos que foram apreendidos na operação Spoofing, que prendeu 4 pessoas suspeitas de invadirem os celulares de autoridades, como Moro, e terem acesso a conversas realizadas no Telegram. Para eles, os arquivos podem ajudar a comprovar a possível parcialidade do ex-juiz federal.

PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS EM 500 DIAS

15.mai.2018 – Leilão do tríplex
O triplex do Guarujá foi vendido pelo lance mínimo estipulado: R$ 2,2 milhões. O apartamento fica no edifício Solaris, no Guarujá –litoral de São Paulo. Tem 297 metros quadrados, sendo 215 como área privativa e 82 em área comum.
O imóvel ficou disponível no site por 2 meses. Nesse período foram feitos apenas 2 lances. O comprador, identificado como “Guarujapar“, é de Brasília, segundo o site que operou o leilão online.
7.jul.2018 – Solta não solta
A barafunda jurídica provocada pelo juiz plantonista do TRF-4 Rogerio Favreto frustrou tentativa de Lula sair da prisão.
O juiz havia determinado pela manhã a liberdade de Lula. No início da tarde, a decisão foi suspensa pelo desembargador do caso no tribunal, João Pedro Gebran Neto, depois de Sérgio Moro ter emitido 1 despacho afirmando que Favreto não tinha competência para conceder o habeas corpus.
Favreto rebateu a decisão de Gebran e determinou novamente a soltura do petista. Deu uma hora de prazo para a PF liberá-lo. A superintendência, no entanto, não respeitou.
Por fim, o MPF (Ministério Público Federal) pediu e o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores, encerrou a disputa judicial dominical mantendo Lula preso.
1.set.2018 – Candidatura barrada
Mesmo com Lula preso, o PT insistiu em lançar o ex-presidente como candidato à Presidência em 2018, tendo como vice-presidente na chapa o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.
O pedido de registro de candidatura foi homologado no TSE em 15 de agosto. O registro foi marcado por uma marcha de militantes à Corte Eleitoral. Também houve 1 ato em frente ao tribunal com carros de som e discursos de apoio ao ex-presidente.
A tentativa foi frustrada. Em 1º de setembro, o TSE barrou o pedido de registro de Lula por 6 votos a 1 com base na Lei da Ficha Limpa, que impede candidaturas de quem já foi condenado em duas Instâncias da Justiça.
Com a decisão, 10 dias depois Haddad foi oficializado como candidato a presidente ao lado de Manuela D’Ávila (PC do B), como candidata a vice. A chapa petista perdeu no 2º turno das eleições, que elegeu Jair Bolsonaro (PSL) como 38º presidente da República.
14.dez.2018 – Réu por lavagem de dinheiro
A Justiça Federal de São Paulo aceitou denúncia da força-tarefa da Lava Jato do Estado em que Lula é acusado de interferir em negócios entre a Guiné Equatorial e o grupo ARG e, em troca, ter recebido propina no valor de R$ 1 milhão.
Com a decisão, o ex-presidente tornou-se réu em mais 1 processo da Lava Jato. Em nota, a defesa negou as acusações.
29.jan.2018 – Morte do irmão
O irmão de Lula, Genival Inácio da Silva, 70 anos, conhecido como Vavá, morreu em decorrência de câncer no pulmão. A defesa de Lula solicitou à Justiça Federal de Curitiba para que o ex-presidente pudesse ir ao velório, mas o pedido foi negado.
A decisão ainda foi confirmada pelo desembargador federal Leandro Paulsen, do TRF-4, mas o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, aceitou recurso da defesa e autorizou a saída de Lula.
Apesar da decisão, o ex-presidente não aceitou as condições estabelecidas por Toffoli, que determinava que o encontro com os parentes deveria ser realizado em 1 quartel das Forças Armadas. A liminar foi deferida quando o velório já tinha começado.
6.fev-2019 – Condenação pelo sítio de Atibaia
Respondendo a outros processos (saiba quais são), Lula ainda foi condenado a mais 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Desta vez, a ação penal envolve o sítio de Atibaia (SP).
Considerando a condenação do tríplex, as penas de Lula já somam 25 anos de prisão no âmbito da Lava Jato.
2.mar.2019 – Saída para ir a velório de neto
O ex-presidente deixou a prisão em Curitiba para ir ao velório do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos. A cerimônia foi realizada no Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo (SP).
Lula deixou Curitiba acompanhado por policiais federais. Ao chegar a São Paulo, foi levado ao cemitério com 1 grande esquema de segurança. Teve a possibilidade de sair do carro e acenar a simpatizantes.

O petista permaneceu no velório por quase duas horas, teve contato com familiares, amigos, políticos. Ele também falou na cerimônia e afirmou que ia provar sua inocência em memória do neto.
21.mar.2019 – Indiciado pela PF
Lula foi indiciado pela PF por supostos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência –quando uma pessoa se beneficia por ocupar uma posição privilegiada em uma empresa ou órgão.
Seu filho, Luis Cláudio, também foi indiciado no caso. As investigações baseiam-se nas colaborações premiadas da empreiteira Odebrecht e miram pagamentos feitos à empresa de marketing esportivo Touchdown, de Luís Claúdio.
Os pagamentos chegariam a R$10 milhões, apesar de a empresa ter capital social de R$1 mil.
19.mai.2019 – Namorada e intenção de casar
O ex-presidente ficou viúvo da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, em 2017. Ela morreu aos 66 anos após sofrer 1 AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico provocado por 1 aneurisma.
Em 19 de maio, ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser Pereira divulgou a informação de que Lula está apaixonado e o seu 1º projeto ao sair da prisão é se casar.
A namorada do ex-presidente é a socióloga Rosângela da Silva, a qual chama carinhosamente de “Janja”. Eles teriam se conhecido no tempo das caravanas da cidadania e cultivam a amizade há anos. Pelo relacionamento, Lula usa aliança na mão direita.
Rosângela da Silva, namorada do ex-presidente Lula
Apesar de estar namorando, em entrevista ao Diário do Centro do Mundo, Lula disse que não quer que ninguém sofra por estar com ele. “Eu, se tiver chance, vou casar. Porque sempre é tempo de a gente ser feliz”, disse.
5.jun.2019 – Réu por propina da Odebrecht
Lula tornou-se réu acusado de ter recebido propina da construtora Odebrecht em troca de favores políticos. Pela denúncia do MPF, também tornaram-se réus no esquema os ex-ministros Antonio Palocci e Paulo Bernardo e o empresário Marcelo Odebrecht.
Os procuradores da Lava Jato afirmam que em 2010 a Odebrecht solicitou interferência política para elevar para R$ 1 bilhão 1 empréstimo concedido a Angola pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Com a concessão do aumento da linha de crédito para financiamento, Marcelo Odebrecht teria pago R$ 64 milhões. O dinheiro teria ficado à disposição do PT.
7.ago.2019 – Transferência para presídio
O juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci, coordenador e corregedor dos presídios de São Paulo, determinou a transferência de Lula para a Penitenciária 2 de Tremembé. A decisão foi tomada após a juíza federal Carolina Lebbos, da Justiça do Paraná, determinar a transferência do petista do prédio da PF (Polícia Federal) em Curitiba para alguma penitenciária em São Paulo.
A defesa do petista recorreu ao STF e, por maioria, teve atendido o pedido para a suspensão da transferência por meio de uma decisão liminar (provisória). A medida é válida até que a 2ª Turma do Supremo analise definitivamente uma ação que questiona a atuação do ex-juiz Sergio Moro na condenação do caso do tríplex do Guarujá (SP).

DEPOIMENTOS À JUSTIÇA

Desde quando foi preso, Lula depôs em 4 ocasiões:
  • 5.jun.2018: ao juiz Marcelo Bretas, como testemunha de defesa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB), no caso que investiga suposta compra de votos para que a capital fluminense sediasse as Olimpíadas de 2016. Foi a 1ª aparição pública do petista após sua prisão, em 7 de abril;
  • 14.nov.2018: à juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro na 13ª Vara Federal em Curitiba, sobre o processo do Sítio de Atibaia. Lula afirmou que quis comprar o sítio, mas desistiu porque o dono não quis vender;
  • 26.fev.2019: à Polícia Federal em Curitiba, no âmbito de 1 inquérito que investiga invasão no tríplex do Guarujá (SP), por integrantes da Frente Povo Sem Medo e do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto);
  • 5.abr.2019: à PF em Curitiba, sobre o inquérito que investiga pagamento de propina da Odebrecht, no caso de navios-sonda construídos pela Sete Brasil. Lula alegou não ter tido acesso aos relatórios do processo e ficou em silêncio.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.