Portal Euclidense: Comportamento imprevisível de Bolsonaro preocupa seguranças

INICIO

domingo, 29 de dezembro de 2019

Comportamento imprevisível de Bolsonaro preocupa seguranças


No fim do ano passado, um grupo de 40 motociclistas aglomerou-se na porta da Granja do Torto, uma das residências oficiais do Poder Executivo. Antes da chegada de Jair Bolsonaro, que tomaria posse dias depois, um dos motoqueiros sacou uma faca para cortar a corda que amarrava uma faixa em homenagem ao futuro presidente.

Ao ver a manifestação de apoio, Bolsonaro mandou parar o carro e projetou-se para fora do automóvel. Os seguranças, que não tiveram tempo de revistar os apoiadores, entre eles o que carregava o objeto cortante, apressaram-se para cercar o veículo para protegê-lo.
A cena se repetiu diversas vezes no primeiro ano de mandato do presidente.
Com uma postura avaliada por assessores palacianos como inconsequente, Bolsonaro obrigou a segurança presidencial a se adaptar a ele.

Em julho, por exemplo, visitou de surpresa, na capital federal, uma feira de motociclistas. Em meio à aglomeração de simpatizantes, uma pessoa estendeu um copo de cerveja a Bolsonaro, que, sem pestanejar, tomou a bebida, o que deixou integrantes da comitiva presidencial perplexos.

Por causa do estilo imprevisível do atual mandatário do Palácio do Planalto, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), responsável pela segurança do presidente, passou a adotar práticas que não eram vistas nos mandatos anteriores.

Desde que levou uma facada na campanha, em setembro do ano passado, o presidente passou a usar, quando se expõe em público, um colete à prova de balas por baixo do terno. Além disso, a segurança no Palácio do Alvorada, residência oficial, foi alterada.

Com o hábito de Bolsonaro de cumprimentar grupos de eleitores duas vezes ao dia, grades foram instaladas e um detector de metais foi colocado na entrada do palácio.

Visitantes e jornalistas que chegam ao local são fichados e obrigados a passar pelo equipamento de segurança antes de ir à área onde Bolsonaro costuma parar para falar. Ao descer do carro, está sempre acompanhado de ao menos quatro seguranças, um deles com uma pasta que em caso de necessidade serve de escudo.

Mesmo com as medidas preventivas, o presidente não está imune a situações complicadas. Em outubro, mesmo com o esquema de segurança, um manifestante questionou Bolsonaro sobre o paradeiro de Fabrício Queiroz, ex-assessor Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) suspeito de esquema de rachadinha.

Incomodado com a necessidade de obedecer a protocolos de segurança -ele já disse que se sente um prisioneiro sem tornozeleira eletrônica-, o presidente inventa toda semana um passeio por Brasília, o que pega de surpresa a equipe que o protege.

No período, ele foi à feira comer pastel, ao mercado comprar xampu e ao cinema. Também surpreendeu ao decidir ir à torcida paraguaia em um estádio em Brasília, durante partida da Copa do Mundo Sub-17.

O presidente ainda andou de jet-ski e, recentemente, comprou uma moto, o que gerou preocupação sobre a possibilidade de ele escapar sem o acompanhamento. Para evitar problemas, combinou com o GSI que só irá usar o veículo na área da residência oficial.

"Vou buscar a minha moto para andar dentro do Palácio do Alvorada. A segurança acha que vou dar umas fugidas", disse à Folha em outubro.

A ida a um stand-up gospel também exigiu a instalação de pórticos de identificação de metal e revista de bolsas na entrada de um teatro.

No desfile do Dia da Independência, após ir de seu camarote até a pista para saudar a plateia, o próprio Bolsonaro reconheceu que deixa seus guarda-costas desassossegados. "Segurança ficou preocupado aqui, mas é um pequeno risco que a gente corre que ajuda a despertar mais o sentimento patriótico do povo."

Em algumas ocasiões, os próprios seguranças deixam transparecer incômodo com a imprevisibilidade do presidente. Em visita a um ex-combatente da Segunda Guerra em um apartamento em Brasília, um dos oficiais bufou após o presidente pedir que eles se afastassem porque queria que a imprensa se aproximasse.

Procurado, o GSI diz que a diversidade de atividades exige avaliações de risco caso a caso e que são seguidos protocolos de segurança. A pasta afirma que não divulga detalhes operacionais sobre a segurança.

A nota também diz que "a segurança presidencial tem plenas condições de manter, em qualquer ocasião, a segurança do presidente" e afirma que seu pessoal é "rigorosamente selecionado e capacitado" e usa equipamentos adequados às necessidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário