Portal Euclidense: Mulher de Viçosa pode ser 11ª vítima de "doença misteriosa" em Minas

INICIO

sábado, 11 de janeiro de 2020

Mulher de Viçosa pode ser 11ª vítima de "doença misteriosa" em Minas


Vítima deu entrada no Hospital Municipal São João Batista na quinta-feira (9) e disse ter consumido a Cerveja Belorizontina


Uma mulher de Viçosa, na região da Zona da Mata mineira, pode ser a 11ª vítima de "doença misteriosa" chamada pelas autoridades como síndrome nefroneural. O caso foi notificado pela Prefeitura do município na última sexta-feira (10), mas a Secretaria de Estado de Saúde (SES) ainda não confirma.

Em nota, a prefeitura de Viçosa informou que a paciente deu entrada no Hospital Municipal São João Batista na quinta-feira (9) "com um quadro clínico de doença renal e que a mesma afirma ter consumido cerveja Belorizontina (Backer)".

Ainda segundo a assessoria da prefeitura, a imprensa local apurou junto a familiares que a paciente teria comprado a cerveja e consumido o produto durante uma viagem para a cidade de Guarapari, no Espírito Santo. Mas, a informação ainda não foi confirmada.

De toda forma, a Secretaria Municipal de Saúde informou que, como medida cautelar, iniciou uma fiscalização em estabelecimentos que poderiam estar comercializando a cerveja e que não encontrou cerveja dos lotes L1 1348 e L2 1348 - que estão sendo recolhidos por suspeita de contaminação com a substância dietilenoglicol. Ainda segundo o órgão, até o momento, nenhuma cerveja da marca foi encontrada nos estabelecimentos da cidade, nem mesmo de outros lotes.

Pelo menos outras dez pessoas, que teriam adquirido a cerveja em supermercados do bairro Buritis, na região Oeste de Belo Horizonte, passaram mal após o consumo. As vítimas apresentaram sintomas como insuficiência renal aguda e alterações neurológicas e, em três delas, os resultados de exames sanguíneos acusaram a presença da substância dietilenoglicol. Um dos pacientes não resistiu e morreu na noite da última quarta-feira (8), em Ubá, na Zona da Mata mineira. Outros nove continuam internados.

Após exames preliminares da Polícia Civil de Minas Gerais confirmarem a presença da dietilenoglicol na cerveja Belorizontina, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento dos lotes L1 1348 e L2 1348 e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) interditou temporariamente a cervejaria Backer - fabricante da Belorizontina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário