Dólar bate recorde aos R$ 5,05; Ibovespa despenca 13,92%

Moeda sobe R$ 1 em 2020
Ações de empresas aéreas desabam
Barril do petróleo abaixo de US$ 30
Bolsa caiu 38,46% no ano
O dólar atingiu o maior valor nominal da história e fechou pela 1ª vez acima de R$ 5. A moeda norte-americana teve alta de 4,86%, cotada aos R$ 5,046. O Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), despencou 13,92%, aos 71.168 pontos.
O nervosismo no mercado financeiro tem relação direta com mais uma decisão extraordinária do Fed (Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos) em reduzir as taxas de juros do país. Os percentuais foram para 1 intervalo de 0 a 0,25% ao ano.
O Fed justificou a medida ao surto da covid-19, que restringe o fluxo de serviço e comércio no mundo. Essa foi a 2ª reunião extraordinária desde o início da crise do coronavírus. O mercado tem receio de que o impacto do vírus na economia global seja maior do que estava sendo imaginado.
Os operadores do mercado também reagiram negativamente à guerra comercial do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia. O país árabe está vendendo a commodity a US$ 25 o barril. O preço do barril tipo brent caía quase 13% às 17h38, cotado aos US$ 29,54. Esse é o menor patamar desde janeiro de 2016.
O dólar subiu mais de R$ 1 em 2019, passando de R$ 4,01 para os atuais R$ 5,05.

O pregão na B3 teve nesta 2ª feira (16.mar) o 5º circuit breakerem duas semanas. Ele é acionado em momentos de grande volatilidade. Na prática, interrompe as negociações por 30 minutos quando cai mais de 10%. Quando o recuo é superior a 15%, o pregão é suspenso por uma hora. Se a queda das ações persistir, o Ibovespa pode ser interrompido durante todo o dia.
É a 5ª vez em 6 pregões que a Ibovespa é interrompida por conta da queda acentuada. A Bolsa já caiu 38,46% no ano.
As principais Bolsas também desabaram no exterior. Nos EUA, os índices Dow Jones e S&P 500 recuaram 12,93% e 11,57%, respectivamente. Eis 1 infográfico sobre o tema:

O mercado financeiro também operou na expectativa da reunião dos líderes do G-7. No encontro, as autoridades dos países assumiram o compromisso de que a prevenção do covid-19 é prioridade.
“Ao agirmos em conjunto, trabalharemos para resolver os riscos econômicos e à saúde causados pela pandemia do Covid-19 e prepararemos o terreno para uma forte recuperação do crescimento econômico e da prosperidade forte e sustentável”, comunicou o grupo.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.