Portal Euclidense: SP, Rio e outras cidades têm panelaço antecipado contra Bolsonaro

INICIO

quarta-feira, 18 de março de 2020

SP, Rio e outras cidades têm panelaço antecipado contra Bolsonaro


Algumas grandes cidades brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Brasília, tiveram panelaços em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira (17).
A mobilização acontece um dia antes de uma manifestação desse tipo convocada em redes sociais para a noite de quarta-feira (18).
Em São Paulo, os panelaços, com gritos de "fora Bolsonaro", ocorreram em bairros como Aclimação, República, Consolação, Santa Cecília, Higienópolis e Bela Vista, na região central, e Pompeia, Pinheiros, Perdizes e Jardins, na zona oeste.
Em Perdizes também houve manifestações de apoiadores em resposta, como "viva Ustra", referência ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, oficial da ditadura militar que costuma ser elogiado pelo presidente.​
No Rio de Janeiro, houve manifestações no Jardim Botânico e em Copacabana, na zona sul. Em Brasília, na Asa Norte.
Os panelaços em janelas de apartamentos se tornaram um dos símbolos de protesto contra a então presidente Dilma Rousseff, que sofreu impeachment em 2016.
Nesta terça-feira, foi protocolado na Câmara o primeiro pedido de afastamento de Bolsonaro na Presidência por ter convocado atos contra o Congresso e o Judiciário no último fim de semana.
Na segunda (16), a ex-aliada Janaina Paschoal, deputada estadual em São Paulo pelo PSL, pediu em discurso que o presidente deixe o cargo.
Em meio à crise do coronavírus, o presidente vem tendo um posicionamento de relativizar a dimensão da pandemia, embora o próprio governo já tenha solicitado o reconhecimento de calamidade pública no país.
Governadores nos estados, como Wilson Witzel (PSC), no Rio, anunciaram medidas drásticas para reduzir a circulação de pessoas, como impedir o tráfego de ônibus intermunicipais.
Antes do agravamento da pandemia, a UNE (União Nacional dos Estudantes), centrais sindicais e grupos de esquerda haviam marcado um protesto contra o governo para o dia 18, mas a mobilização foi suspensa por causa do risco de disseminação da doença.
Na manhã desta terça, Bolsonaro voltou a afirmar que existe uma "histeria" em relação à crise do coronavírus e disse que fará uma "festinha tradicional" para celebrar seus 65 anos.
O presidente faz aniversário neste sábado (21). Especialistas em saúde recomendam evitar aglomerações e reduzir o contato social para fazer frente à crise sanitária.
"Eu faço 65 [anos] daqui a quatro dias", disse, em entrevista à rádio Super Tupi. O apresentador do programa em seguida lhe pergunta: "vai ter bolo presidente?" "Vai ter uma festinha tradicional aqui. Até porque eu faço aniversário dia 21 e minha esposa dia 22. São dois dias de festa aqui", acrescentou. "Emenda, dia 21, próximo de meia-noite ela me cumprimenta; logo depois eu a cumprimento".
Além de falar que realizará o evento para o seu aniversário, Bolsonaro afirmou que medidas adotadas por governadores para conter a Covid-19 vão prejudicar muito a economia.
"Esse vírus trouxe uma certa histeria. Tem alguns governadores, no meu entender, posso até estar errado, que estão tomando medidas que vão prejudicar e muito a nossa economia", declarou.
"A vida continua, não tem que ter histeria. Não é porque tem uma aglomeração de pessoas aqui e acolá esporadicamente [que] tem que ser atacado exatamente isso. [É] tirar a histeria. Agora, o que acontece? Prejudica", acrescentou.
Ao menos 15 pessoas que se encontraram com Bolsonaro em viagem recente aos EUA estão com coronavírus. O presidente disse na noite desta terça que um novo teste apontou que ele não contraiu a doença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário