Portal Euclidense: PERCEBA A HERANÇA MALDITA DO RACISMO EM TODOS OS LUGARES

INICIO

segunda-feira, 8 de junho de 2020

PERCEBA A HERANÇA MALDITA DO RACISMO EM TODOS OS LUGARES



Mais uma daquelas notícias que eu não consigo ir até o fim sem antes parar, engolir um café amargo (por mais doce que esteja) e voltar ao início pra ver se é mesmo verdade.
Quando a mãe de Miguel fala que a patroa não teve paciência para segurar seu filho enquanto ela tinha toda a paciência do mundo para levar a cachorra dela pra passear isso me soa como o barulho de uma faca cortando carne, carne preta, carne pobre, carne mais barata do mercado.
A queda de Miguel em do 9º andar de um prédio em Recife é mais do que isso. Ela é representativa. Ela resume séculos de exploração e assassinato de gente preta no país. O corpo de apenas 05 anos de vida batendo no cimento duro é o resumo dos anos e de nosso silêncio diante tudo isso.
Mulher negra, menino negro, vida negra, pobre.  Sim, por isso que Miguel morreu em plena pandemia e custou vinte mil reais. Se o trabalho de Mirtes era essencial? Não sei dizer. Sei apenas que é apenas mais uma criança preta a menos nesse mundo.
Sim, sobre eles ainda está a pá de cal escravagista que nos persegue e nos mata há tanto tempo. 
Quando da “libertação” dos escravos, todos sabem, o país ficou repleto de negros que não tinha para onde ir, amontoavam-se nas calçadas, pediam esmolas e não estavam capacitados para o mercado de trabalho.
Quando enfim, os escravos foram libertados e o país começava a se modernizar, as máquinas começaram a chegar, os italianos também. Eles sabiam mexer nas engrenagens, eram bonitos, elegantes e brancos. Para eles, o trabalho não era uma ofensa, era um tipo de honra. Menos trabalhar como empregados domésticos, então esse trabalho sobrou para as negras, iguais a mãe do Miguel, que passaram a sustentar suas famílias com esse trabalho. Até hoje é assim, caso não tenha percebido essa ligação histórica me diga você se a lógica não procede?
Então se você não percebe que isso é uma herança maldita, o resultado de anos de assassinato, de humilhação, de exploração e descaso com a gente preta, você não ver ou não quer perceber o que acontece a sua volta.
A PEC da empregada, aquela que prevê a extensão, aos empregados domésticos, a maioria dos direitos já previstos atualmente aos demais trabalhadores registrados com carteira assinada (em regime CLT). Votada em 2015. Em cuja uma das razões era que essas trabalhadoras tivessem um pingo de dignidade. (Não sei se você se lembra, mas o único a votar contra essa PEC hoje é presidente da república). 
Essa PEC colocou essas mulheres em um patamar profissional um pouco melhor. Mas a relação de exploração ainda é muito grande. Uma cultura maldita, uma herança assustadora.
Era para Miguel estar em casa, com sua bicicleta do homem aranha, brincando na calçada, ou desenhando um sol amarelo em algo numa folha qualquer. Mas o prefeito da cidade, que era patrão de sua mãe não tinha quem levar  cachorra para fazer cocô na rua. Por isso Miguel morreu no pátio do prédio.
Tem racismo nessa história, tem sim. Tem sangue negro, tem menos uma vida negra, menos um filho e menos uma família. Mas como não é uma família de brancos e ricos, muita gente vem com discurso negacionista e tentarão amenizar a situação.
Choramos os mortos italianos pela COVID-19, mas para os mais de 30.000 brasileiros é só uma gripezinha.
Gritamos a morte do George Floyd como vítima de racismo, mas meninos como Miguel e João Pedro são rapidamente esquecidos.
Quando falamos sobre fascismo (o que pretendo fazer no próximo texto), alguns pseudos intelectuais vão ao Google tentar responder o que não sabem. 
A eleição de Bolsonaro se mostrou uma ferida que não conhecíamos. Expôs nosso lado Racista, fascista, homofóbico, misógino etc. (ou éramos tudo isso e não percebíamos) 
A igreja se prostituiu (ou mostrou que já era e não percebíamos).
As instituições se mostraram covardes (ou não percebíamos).
As mentiras nos guiam
É preciso perceber o que está à nossa volta.

David Souza
O racismo está por perto, temos que perceber e lutar contra tudo isso.
Precisamos perceber.



Nenhum comentário:

Postar um comentário