Portal Euclidense: Acusado de estupro e violação sexual, líder religioso Jair Tércio está foragido

INICIO

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Acusado de estupro e violação sexual, líder religioso Jair Tércio está foragido

Mandado de prisão não foi cumprido pois "guru" não foi localizado

O líder religioso Jair Tércio está foragido - na manhã desta quinta-feira (17), uma operação tentou cumprir mandado de prisão contra o "guru", que não foi localizado.
Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em endereços ligados a Jair Tércio, que um dos criadores da Fundação Organização Científica de Estudos Materiais, Naturais e Espirituais (Ocidemnte) e ex-grão-mestre da Grande Loja Maçônica da Bahia (Gleb).

"Ele não foi localizado nas duas áreas que nos realizamos a busca. Por isso, ele encontra-se foragido da Justiça", afirmou a promotora de Justiça Márcia Teixeira.Jair Tércio foi denunciado por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável, por manter relação sexual com menor de 14 anos. 

"Hoje, foi dado um grande passo relacionado às denúncias veiculadas pela imprensa contra Jair Tércio. As denúncias correspondem a casos de quatro vítimas, que tiveram vínculo pessoal e familiar com o investigado, possibilitando a chegada em indícios mais fortes do crime. Violação sexual mediante fraude, estupro de vulnerável e lesão corporal", explicou a promotora Clarissa Diniz, em coletiva de imprensa.

Coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher (Gedem), a promotora Sara Gama explicou que a análise de provas já começou. "Nós abrimos um procedimento investigativo e começamos analisar as provas que chegaram até  nós e foram ratificadas pelo Ministério Público da Bahia. Fizemos uma busca e a apreensão na sede da instituição que o investigado estava à frente. Tentamos cumprir também o mandado de prisão preventiva autorizado pela Justiça", disse.

Segundo ela, o acusado se aproveitava da confiança das mulheres, com sua posição de liderança, para abusar delas. "Jair Tércio tinha um modus operandi onde ele se aproveitava do status de liderança religiosa e espiritual para chegar até mulheres fragilizadas e que precisavam de um apoio espiritual e emocional. Isso fazia com que elas tivessem nele uma figura de respeito e enxergassem legitimidade em seus atos, o que dificultou a denúncia do acusado até esse ano", explica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário