Portal Euclidense: No Japão, número de suicídios em um mês foi maior que mortes por COVID em 2020

INICIO

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

No Japão, número de suicídios em um mês foi maior que mortes por COVID em 2020

Sabemos que é muito delicado falar sobre suicídio, mas no mês de outubro, aconteceu algo alarmante no Japão: o número de pessoas que tiraram a própria vida nesse período foi superior ao número de mortes por COVID-19 em todo o ano de 2020 no país.
É inegável que a saúde mental é um assunto muito sério, e que merece todos os olhares. Neste ano, inclusive, o Canaltech fez um especial sobre os impactos da COVID-19 na saúde mental (Parte 1; parte 2). Acontece que o Japão é uma das poucas economias importantes a divulgar dados oportunos sobre suicídio. Os dados japoneses podem dar a outros países percepções sobre o impacto das medidas pandêmicas na saúde mental, e quais grupos são os mais vulneráveis.

Por lá, as estatísticas do governo mostram que o suicídio ceifou mais vidas em outubro do que a COVID-19 em todo o ano até agora: o número mensal de suicídios entre japoneses subiu para 2.153 no mês em questão, de acordo com a Agência Nacional de Polícia do Japão. Enquanto isso, o número total de mortes de COVID-19 foi de 2.087, segundo o ministério da saúde local.

Especialistas alertaram que a pandemia pode levar a uma crise de saúde mental. Desemprego em massa, isolamento social e ansiedade estão afetando as pessoas em todo o mundo. "Não tínhamos nem mesmo um Iockdown e o impacto da COVID-19 é mínimo em comparação com outros países, mas ainda vemos este grande aumento no número de suicídios", disse Michiko Ueda, professora associada da Universidade Waseda em Tóquio e especialista em suicídios, durante entrevista à CNN. "Isso sugere que outros países podem ver um aumento semelhante ou ainda maior no número de suicídios no futuro", acrescentou.

Suicídio no Japão

O Japão luta há muito tempo com uma das maiores taxas de suicídio do mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Em 2016, o país tinha uma taxa de mortalidade por suicídio de 18,5 por 100.000 pessoas, perdendo apenas para a Coreia do Sul na região do Pacífico Ocidental e quase o dobro da média global anual de 10,6 por 100.000 pessoas.

Embora as razões para a alta taxa de suicídio no Japão sejam complexas, longas horas de trabalho, pressão escolar, isolamento social e um estigma cultural em torno de questões de saúde mental foram citados como fatores contribuintes. No entanto, o aumento dos suicídios afetou desproporcionalmente as mulheres. Embora representem uma proporção menor do total de suicídios do que os homens, o número de mulheres que se suicidam está aumentando.

Em outubro, os suicídios de mulheres no Japão aumentaram quase 83% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para efeito de comparação, os suicídios masculinos aumentaram quase 22% no mesmo período. Em um estudo global com mais de 10.000 pessoas, conduzido pela organização de ajuda internacional sem fins lucrativos CARE, 27% das mulheres relataram maiores desafios com a saúde mental durante a pandemia, em comparação com 10% dos homens.

Para agravar as preocupações com a renda, as mulheres têm enfrentado uma disparada de encargos de assistência não remunerada, de acordo com o estudo. Para aqueles que mantêm seus empregos, quando os filhos são mandados para casa da escola ou creche, muitas vezes cabe às mães assumir essas responsabilidades, bem como suas obrigações normais de trabalho.

Fonte: Canaltech

Nenhum comentário:

Postar um comentário