Portal Euclidense: Bolsonaro promete isenção de pedágio para motos e tarifa para carros e caminhões subirá

INICIO

25/05/2021

Bolsonaro promete isenção de pedágio para motos e tarifa para carros e caminhões subirá

Mudança já deverá valer para a nova concessão da Dutra, rodovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro

Não é de hoje que Jair Bolsonaro (sem partido) acena com a possibilidade de isentar o pedágio para as motos em rodovias. Em agosto do ano passado, o presidente prometeu a um grupo de motociclistas no Palácio da Alvorada a isenção da tarifa.

O fato é que agora Bolsonaro afirmou, em conversa com apoiadores, que já tratou do tema com o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Durante a conversa, o presidente afirmou que não “pode passar por cima” de contratos antigos, ou seja, a isenção de pedágio para motos valerá apenas para as próximas concessões de rodovias, sem efeito para aquelas que já foram concedidas.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, a mudança já deverá valer para a nova concessão da Dutra, rodovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, para a BR-381/262, entre Minas Gerais e Espírito Santo, e a BR-116/493, do Rio a Minas Gerais, além do projeto de concessões de rodovias no Paraná.

“O Ministério da Infraestrutura informa que já estuda a retirada da cobrança de pedágio aos motociclistas para as novas concessões de rodovias federais e trabalha para viabilizar essa mudança nos projetos que estão em andamento. A gratuidade não deve gerar grande impacto nas tarifas, segundos os estudos”, afirmou o ministério à Autoesporte.

Vale lembrar que em qualquer rodovia administrada por empresas privadas, como a CCR, não têm controle nenhum sobre o valor das tarifas de pedágio, definido por órgãos públicos que estipulam o preço a ser cobrado.

A quantia paga pelos motoristas no pedágio financia os investimentos em obras nas estradas. Se as motos ficarem isentas, os demais contribuintes terão que pagar mais, é isso que defende a Associação Brasileira de concessionárias de rodovias (ABCR).

"Estima-se que, em média, o impacto de isenção de pagamento de pedágio por motocicletas seja da ordem de 5% na receita de um projeto de concessão de rodovia", afirma a ABCR.

A associação defende o conceito “quando todos pagam, todos pagam menos” e garante que qualquer tipo de isenção comprometerá o equilíbrio e impactará na tarifa paga pelos demais usuários.

“Vale lembrar que os motociclistas continuarão usando os serviços disponíveis nas rodovias concedidas, entre eles assistência pré-hospitalar em emergências, socorro mecânico, bases de apoio aos usuários e etc. Em 2019, dos 112.356 acidentes registrados nas rodovias concedidas, associadas à ABCR, 20,26% envolveram motocicletas (24.453 acidentes) ”, afirmou.

Mais lidas do Autoesporte


Nenhum comentário:

Postar um comentário