Portal Euclidense: Leopardos fogem de zoo chinês e megaoperação precisa ser acionada

INICIO

25/05/2021

Leopardos fogem de zoo chinês e megaoperação precisa ser acionada

Essa é uma daquelas histórias que, de tão absurda, quase se torna engraçada. Porém, ela foi bem assustadora para os moradores de Hangzhou, cidade no leste da China. Os moradores foram instruídos a permanecer em casa porque três leopardos do zoológico local estavam soltos pelas ruas da cidade.

Mas o pior não é isso: a administração do Hangzhou Safari Park simplesmente negou que qualquer animal tivesse fugido, assim que os primeiros relatos de pessoas vendo leopardos começaram a chegar para a polícia.

De acordo com as notícias sobre o caso, os animais escaparam enquanto uma jaula era limpada, mas o gerente Zhang Dequan mandou todo mundo ficar quieto. Ele não queria que esse "probleminha" impactasse a visitação no feriado do Dia do Trabalhador.

Uma megaoperação digna de cinema

Somente em maio o Hangzhou Safari Park admitiu o que estava acontecendo, ao que a polícia deflagrou uma operação para capturar os leopardos fujões. O primeiro deles foi encontrado em menos de 48 horas e voltou à sua jaula, só com tranquilizantes.

Em compensação, a história foi menos tranquila com o segundo leopardo. Cães de caça da polícia foram mobilizados para encontrar os dois "foragidos". As imagens do violento confronto entre os cães e o leopardo, que ficou ferido, geraram revolta. Ainda assim, era um animal selvagem a menos nas ruas de Hangzhou.

O terceiro leopardo está dando ainda mais trabalho para as autoridades — o correto é usar o gerúndio mesmo, porque ele ainda não foi capturado. A polícia mobilizou cerca de 1700 oficiais, cães farejadores e um grande aparato tecnológico nas buscas.

Nada menos que 990 drones estão vasculhando as montanhas ao redor da cidade, onde o leopardo pode ter se escondido. Sensores infravermelhos foram instalados nos cursos de água onde ele pode buscar água. Além disso, 100 galinhas foram espalhadas como armadilha para o animal — algo menos tecnológico que os drones, mas que pode acabar sendo o mais importante na operação.

Isso porque os leopardos fujões foram criados em cativeiro e não sabem como procurar o próprio alimento em habitat natural. Por isso, acredita-se que o animal possa estar faminto — o que também aumenta os riscos para algum ser humano que tiver o azar de encontrá-lo casualmente por aí.

E o gerente do parque, como ficou?

A visitação do Hangzhou Safari Park no feriado do Dia do Trabalhador foi ótima, com mais de 97 mil pessoas em suas dependências. Mas a que custo isso aconteceu, né?

Não à toa, esconder o que aconteceu pegou muito mal para o parque, que recebeu uma enxurrada de críticas. Além disso, cinco pessoas foram presas, incluindo o gerente.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário