Portal Euclidense: Quem era a professora morta em ataque a creche no Oeste de SC

INICIO

04/05/2021

Quem era a professora morta em ataque a creche no Oeste de SC

Keli Adriane Aniecevski, 30 anos, foi atacada pelo jovem de 18 anos na entrada da escola

A professora Keli Adriane Aniecevski, 30 anos, é uma das vítimas do ataque à escola infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste de Santa Catarina. O crime aconteceu na manhã desta terça-feira (4) e além da educadora outras três crianças e uma adulta tiveram a morte confirmada. Uma outra funcionária da unidade, agente educativa, também morreu.

> Quem é o autor do ataque que deixou cinco mortos em creche no Oeste de SC

A informação da morte foi confirmada por familiares de Keli e pela secretária de Educação de Saudade, Gisela Herman. A prima da educadora, Cristiane Aniecevski Krindges, contou que ela trabalhava na unidade há cerca de dez anos.

— Era uma pessoa muito querida. Nós estamos em choque com o que aconteceu. Disseram para nós que ela tentou defender as crianças — contou a prima.

Keli morava com os pais na cidade e tinha um irmão mais novo, que mora em São Miguel do Oeste. Aos saberem da notícia, os pais da professora foram levados ao hospital da cidade.

Crime 

Um homem de 18 anos entrou na creche armado com uma faca. Segundo o delegado Jerônimo Marçal, o agressor teria atacado a professora Keli na entrada na escola. Ela então correu para a sala onde estavam quatro crianças, todas menores de dois anos.

Além deles, o suspeito atacou uma agente de saúde que fazia um trabalho no local no momento do crime. A morte dessa profissional também foi confirmada pela Polícia Militar de Chapecó.

O local está isolado, segundo informações do delegado Marçal. Em entrevista à NSC TV, ele relatou que a Polícia Civil já foi até a casa do autor do crime e que lá teria encontrado "objetos estranhos". Ele não especificou o que seriam, mas reforça que os agentes trabalham com a possibilidade de que seria um crime isolado.

Em ataque a creche de SC, professoras trancaram crianças na sala de aula para evitar mais mortes


Nenhum comentário:

Postar um comentário