Portal Euclidense: Arraiá do Cumbe pode não acontecer em 2022. Entenda por que

INICIO

09/11/2021

Arraiá do Cumbe pode não acontecer em 2022. Entenda por que

Segundo o prefeito Luciano Pinheiro, até o momento ele não vê condições para a realização da festa em 2022. Em função das incertezas, todas as movimentações e preparativos de Euclides da Cunha estão parados.

Os apaixonados por São João, em especial pelo tradicional, badalado e disputado Arraiá do Cumbe, em Euclides da Cunha, podem ter que esperar ainda muito mais do que até o próximo ano para matar a saudade da festa e curtir tudo o que ela proporciona.

Segundo o prefeito Luciano Pinheiro, até o momento ele não vê condições para a realização da festa em 2022. “Se a pandemia estiver controlada e não causar nenhum risco à população, o Arraiá do Cumbe vai, sim, acontecer, e iremos nos planejar para entrarmos em contato com as atrações”, disse o gestor a Retratos e Fatos.

Segundo o prefeito, mesmo a cidade tendo apenas 05 casos ativos, ainda não é hora pra festa. Foto: Divulgação

É comum os gestores anteciparem, em meses, a contratação de uma ou duas atrações, principalmente aquelas que são mais disputadas pelos municípios que realizam os festejos juninos. Mas, em função das incertezas, todas as movimentações e preparativos de Euclides da Cunha estão parados. “Meu foco ainda é cuidar da vida das pessoas. Só vou tratar de eventos festivos em Euclides da Cunha a partir de janeiro de 2022”, afirma Luciano.

Nós questionamos o gestor qual seria sua decisão sobre a realização do Arraiá do Cumbe caso a festa fosse acontecer nesse mês, quando Euclides da Cunha registra apenas cinco casos ativos de covid-19, segundo dados da secretaria municipal da Saúde divulgados nesta segunda-feira (08/11).  “Eu seria contra a realização, haja vista que não temos toda a população imunizada. Uma festa dessa recebe gente de todo o país. Mais de 30 mil pessoas passam por dia no Arraiá”, explica.

Realização da festa em 2022 vai depender da vacinação e controle da pandemia, diz prefeito. Foto: Divulgação

Luciano classifica como “falta de prudência”, por exemplo, o prefeito de Salvador, Bruno Reis, ter afirmado que vai procurar o governador Rui Costa para discutir a realização do Réveillon e Carnaval. 

retratosefatos.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário